Quero amamentar e agora?

Tive dois filhos, e quando tive o primeiro, aos 32 anos não estava minimamente preparada.

Mal o meu primeiro filho nasceu (de cesariana), levaram-me para o recobro. A auxiliar perguntou-me se eu queria dar de mamar, mal disse que sim, agarrou-me o peito e espremeu, espremeu, espremeu, encaixou a boca do bebé no mamilo, e ele começou a mamar. Doeu-me muito, e queixei-me. Deram-me logo uns protetores de mamilos em silicone (mágicos) e nunca mais tive dores. Usei sempre esta proteção durante o tempo que amamentei os meus filhos.

A questão de dar de mamar levanta sempre angústias. Há mães que não querem dar de mamar, por “n” razões, e há mães que não abdicam. Existe alguma influência da sociedade para amamentar as crias, e as mães sentem essa pressão. E muito!!!

Quando comecei a dar de mamar diziam-me para beber muita água, estar relaxada, e no limite para beber uma cerveja (a última não cheguei a experimentar, se calhar não é muito aconselhável).

Amamentar é uma sensação maravilhosa, mas também é muito duro para a progenitora. Quando eles nascem, têm de “comer” de três em três horas, e só quando começam as sopas e as papas é que os intervalos entre mamadas aumentam. A sorte é que temos uma hormona que nos faz sentir supermulheres, e quando achamos que não temos mais forças, ouvimos o choro do bebé, e ficamos logo cheias de energia.

Muitas mulheres não têm problemas em amamentar, mas não é para elas que escrevo este post. É para as mães que querem mesmo muito dar de mamar, mas não estão a conseguir.

Tenho uma amiga que estava a ficar muito frustrada por não estar a conseguir amamentar. Foi então que decidiu ir à Clínica Amamentos – Clínica de Amamentação de Lisboa, e a partir daí, nunca mais parou de amamentar.

É bom saber que existem profissionais que nos ajudam quando decidimos ir para a frente com a amamentação, e não estamos a conseguir.

Qual foi a vossa experiência?

Têm alguma dica?

Mais informações sobre a Clínica aqui.

Sweet kisses

Maria

0